Fazenda, Polícia Civil e IGP deflagram operação contra sonegação de ICMS

Apreender provas relacionadas ao uso de notas fiscais em nome de empresas de fachada, conhecidas como noteiras, é o objetivo da operação Bacos do Oeste II deflagrada na quarta-feira, 6. A ação, realizada em parceria entre Secretaria de Estado da Fazenda (SEF), Polícia Civil e Instituto Geral de Perícias (IGP), recolheu documentos durante o cumprimento de oito mandados de busca e apreensão nos municípios de Pinheiro Preto e Penha, em Santa Catarina; e Curitiba, no Paraná.

De acordo com o delegado da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (Deic), Pedro Mendes, há oito meses é investigado o esquema de empresas noteiras que são usadas para registro de vendas de uma indústria de vinhos e derivados da região Meio-Oeste catarinense. A fraude possibilitava que deixassem de ser recolhidos os tributos, como o ICMS devido nas vendas. “Investiga-se ainda, a suspeita da criação e utilização destas empresas, bem como os responsáveis por tais atos”, disse Mendes.

A estimativa é que o esquema ilícito tenha gerado prejuízo de mais de R$ 10 milhões. Os valores serão registrados após a análise do material apreendido na operação e perícia nos equipamentos de informática.

A investigação

A operação Bacos do Oeste II começou com o registro de Boletim de Ocorrência após abordagem de rotina em um caminhão que transportava bebidas de uma indústria localizada em Pinheiro Preto. Mas a nota fiscal continha endereço de uma empresa de fachada de Penha.

Fonte: SEF-SC

Start typing and press Enter to search